Back

ⓘ Incêndios florestais em Portugal



Incêndios florestais em Portugal
                                     

ⓘ Incêndios florestais em Portugal

Os incêndios florestais em Portugal são numerosos e são uma emergência que se atende hoje em dia mediante os planos de emergências para incêndios florestais. Informação geral sobre os incêndios florestais pode ser consultada na página oficial do Ministério do Ambiente.

Este artigo pretende estabelecer uma cronologia dos incêndios florestais que assolam Portugal todos os anos, especialmente durante o Verão.

                                     

1. Caraterização

São das catástrofes naturais mais graves em Portugal, não só pela elevada frequência com que acontecem e dimensão que alcançam, como pelos efeitos destruidores que causam. Para além dos prejuízos económicos e ambientais, podem criar uma fonte de perigo para as populações e bens.

Os incêndios florestais são considerados catástrofes naturais, mais pelo facto de se desenvolverem na natureza e por a sua possibilidade de acontecimento e características de divulgação dependerem de fatores naturais, do que por serem causados por fenómenos naturais. A intervenção humana pode desempenhar um papel decisivo na sua origem e na limitação do seu desenvolvimento. A importância da ação humana nestes fenómenos diferencia os incêndios florestais das restantes catástrofes naturais.

Os anos de 2003 e 2005 foram os anos mais trágicos em Portugal, arderam 425.839 e 339.089 hectares respetivamente. Em 2014, por contraste, arderam somente 19.930 hectares. Em 2016, os incêndios voltaram a Portugal com grande intensidade, após um ano chuvoso, devido às condições climatéricas extremas temperaturas acima dos 40 graus em todo o país.

Vários estudos apontam para que as causas humanas sejam prevalecentes. No estudo efetuado em 2012, que analisa as causas de incêndios florestais em Portugal continental, entre 1996 e 2010, verifica-se que 90% dos casos "tem origem em atos humanos, negligentes e intencionais". Observa-se que o "incendiarismo" 885 e o acidente/negligência" 866 são apontados como responsáveis pelo mesmo número de ocorrências, nos fogos cuja causa foi determinada. Contudo, a amostragem não é aleatória dado que todos os incêndios com suspeita de origem criminosa têm prioridade na investigação. Assim, os autores do estudo concluem que a "origem criminosa" enquanto causa de incêndios florestais está empolada.

Contudo, e numa base opinativa, o presidente da Liga dos Bombeiros, em 2015, afirmava que cerca de 75% dos incêndios florestais em Portugal são de origem criminosa e os restantes 25% são devidos a casos de negligência.

                                     

2. 1966

Em 6 de Setembro de 1966 um fogo na serra de Sintra causou a morte de 25 militares do Regimento de Artilharia Anti-Aérea Fixa de Queluz, quando tentavam combater as chamas.

                                     

3. 1986

Na noite de 14 de junho de 1986, num incêndio em Águeda perderam a vida 16 pessoas: 13 Bombeiros das Corporações de Bombeiros Voluntários de Águeda de Anadia e três Civis da região de Águeda.

                                     

4. Campanha de prevenção 2007

Portugal sem fogos depende de todos é uma campanha lançada em 2007 para lutar contra os fogos em Portugal.

Até 30 de Setembro, em zonas florestais é absolutamente proibido:

  • Lançar foguetes ou balões de mecha acesa
  • Fumar ou fazer lume de qualquer tipo
  • Queimar sobrantes agrícolas ou florestais
  • Realizar queimadas para renovação de pastagens

Porque Portugal sem fogos depende mesmo de todos, foi recentemente aprovado um Despacho Conjunto, da responsabilidade dos Ministérios da Administração Interna e do Trabalho e Solidariedade Social, que permite o recrutamento de cidadãos em situação de desemprego para trabalhos de prevenção e detecção de incêndios florestais.

                                     

5. Evolução da área florestal ardida anualmente em Portugal

2008 foi o ano em que a área ardida foi menor desde 1980. O pior ano foi 2017. O gráfico apresenta a evolução da área de floresta ardida em virtude de incêndios florestais em território nacional desde 1980.

                                     

6. 2013

A 8 de Julho de 2013, na aldeia de Cilhade, no concelho de Torre de Moncorvo, ás 14:45 inicia-se um foco de incêndio que foi dominado, ás 21:34.

A 9 de Julho de 2013, na aldeia de Picões, no concelho de Alfândega da Fé, ás 13:47 o incêndio reacende, de forma explosiva, passa o Rio Sabor, até ao concelho de Mogadouro, cercando várias aldeias, como na aldeia de Quintas das Quebradas onde se juntão duas frentes, e obrigando á evacuação de algumas casas na aldeia de Estevais Mogadouro e á evacuação total da aldeia de Minas de Fonte Santa Freixo de Espada á Cinta. Esta frente continua entre os concelhos de Freixo de Espada á Cinta e Mogadouro, chega até ás arribas da Barragem de Aldeadávilla. O incêndio continua em Carviçais Torre de Moncorvo e ás 7:00, já no dia 12 de Julho de 2013, o incêndio é dado como extinto em Mós Torre de Moncorvo.

As freguesias mais afectadas foram Meirinhos Mogadouro com 74.7% de área total ardida, Lagoaça Freixo de Espada á Cinta com 54.9% de área total ardida, Carviçais Torre de Moncorvo com 47.5% de área total ardida, Castelo Branco Mogadouro com 35.9% de área total ardida, Cerejais Alfândega da Fé com 33.5% de área total ardida, Ferradosa Alfândega da Fé com 32.5% de área total ardida, Parada Alfândega da Fé com 29.3% de área total ardida e Bruçó Mogadouro com 28.9% de área total ardida.

No total arderam 14135.7 hectares, dos quais 6854.4 em Mogadouro, 3752.1 em Torre de Moncorvo, 2099.5 em Freixo de Espada á Cinta e 1430 em Alfândega da Fé.

Este incêndio foi considerado o maior registado em Portugal, ano de 2013, e o maior de sempre naquela região transmontana.

Para ajudar no combate estiveram mais de 700 bombeiros, quase 200 veículos e 9 meios aéreos, no terreno.



                                     

7. 2017

O Incêndio florestal de Pedrógão Grande em 17 de junho de 2017, causa 64 mortos e cerca de 200 desalojados.

Em 15 de Outubro de 2017 foram registados, num dia, 523 incêndios, que causaram 50 mortos e cerca de 70 feridos. Este foi considerado o pior dia de incêndios de sempre em Portugal. Os piores fogos foram registados na região Centro e Norte, nomeadamente Viseu distrito mais fustigado e Coimbra, e entraram dentro de diversas cidades, vilas e aldeias acabando por destruir dezenas de casas e indústrias.

Os dados oficiais do ICNF indicam que até 30 de setembro havia 215 988 hectares de área ardida.

Entre o início do ano e o final de outubro, arderam em Portugal mais de 440 mil hectares de floresta e povoamentos - o que corresponde a quatro vezes mais do que a média registada nos dez anos anteriores.

Ardeu mais 428% do que arde, por norma, em anos anteriores mais 358 mil hectares, totalizando um número superior à área total do distrito de Coimbra, o maior número registado desde 2006.



                                     

8. Referências

* Outra fonte, adaptação por confirmação pessoal, etc.
  • ↑ Correio da Manhã, 17 de Julho de 2005
  • ↑ Correio da Manhã, 6 de Agosto de 2005, situação às 21h30
                                     

9. Ligações externas

  • Mapa de área ardida e agregador de notícias – Aplicação do European Forest Fire Information System da Comissão Europeia
  • Bombeiros Portugueses
  • Fogos.pt Mapa com incêndios em tempo real
  • Pordata - Base de Dados
Free and no ads
no need to download or install

Pino - logical board game which is based on tactics and strategy. In general this is a remix of chess, checkers and corners. The game develops imagination, concentration, teaches how to solve tasks, plan their own actions and of course to think logically. It does not matter how much pieces you have, the main thing is how they are placement!

online intellectual game →